O ANTI-PETISMO DE JOSÉ RONALDO CONTRA O PÓS-LULISMO DE RUI COSTA

Publicado em 07/08/2018 às 00h23

O anti-petismo de José Ronaldo contra o pós-lulismo de Rui Costa

     Se do lado do DEM o tom da campanha foi dado pela ilustre desconhecida vice Mônica Bahia e seu discurso "anti-PT", do lado do governo candidato à reeleição predominou a defesa do petismo encarnado na figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante as convenções. Nada, até agora, fora do script pré-determinado para as eleições de 2018.

      José Ronaldo e sua trupe, incluindo aí o prefeito de Salvador, ACM Neto, precisam apostar no desgaste do PT como forma de desidratar Rui Costa. É a forma mais racional de lidar com um governo bem avaliado: investir no imaginário coletivo que associa o PT à corrupção. Isso sob o pretexto de que correligionários não possuem telhado de vidro, tal qual aliados do governador. Tudo, no entanto, não passa de uma cortina de fumaça. 

       Enquando o candidato do DEM tentará criar a ideia de renovação - mesmo sendo representante de uma oligarquia política -, caberá ao PT fingir que não pretende manter a Bahia como uma capitania hereditária governada pelo grupo. Esse será um dos embates políticos dos próximos dois meses.

LULISMO

        O legado de Lula e sua associação com a melhoria de vida do povo pobre brasileiro parece dar o tom das argumentações da campanha de Rui na Bahia. A carta do ex-presidente é simbólica justamente por isso: mantém aceso o vínculo entre o petismo baiano e o líder-mor do grupo. E Rui, que pode até não ser considerado um ás na política, saberá surfar na onda vermelha da forma como melhor lhe convir, como o fez ao longo dos últimos quatro anos.

        Se em alguns momentos o governador "fraquejou" ao defender o petismo, segundo avaliações mais radicais, a campanha de Rui em 2018 será de reafirmação das posições ideológicas da esquerda. Ainda que, em certas situações, o flerte com os "azuis" seja explícito, como na indicação de João Leão e Angelo Coronel para a chapa majoritária.

         Um observador menos apaixonado consegue identificar que o maniqueísmo pregado nas duas campanhas, apesar de parecerem com focos distintos, se completa. Ao que pareceu, a corrida eleitoral de 2018 na Bahia não será entre José Ronaldo e Rui Costa. Ela se desenha como um duelo entre o "anti-PT" e o petismo ligeiramente adaptado às novas realidades.  

          Este texto integra o comentário desta segunda-feira (6) para a RBN Digital, veiculado às 7h e às 12h30, e para as rádios Excelsior, Irecê Líder FM e Clube FM.

FONTE: BN

Enviar comentário

voltar para Blog

left show tsN fwB|left fwB tsN fsN|left show fwB c15 tsN|b01 bsd c10||image-wrap|news fwB tsN fwR tsY b01 c05 bsd|normalcase fsN fwR sbss c15|b01 c05 bsd|news login c15 sbss|tsN normalcase fwR c05|b01 normalcase c05 bsd|content-inner||